Ensino Técnico Profissional no País - Formadores devem partilhar o conhecimento adquirido no Brasil

A Vice- Ministra da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional, Leda Hugo, desafia os 54 Formadores Moçambicanos que regressaram da República Federativa do Brasil, a partilhem na sua plenitude os conhecimentos adquiridos, de modo a propiciarem a formação de técnicos altamente qualificados, que possam satisfazer as necessidades do sector produtivo e promover o auto-emprego.

Trata-se de 30 formadores, para beneficiarem-se de capacitação na Área de Agricultura, onde serão abordados conteúdos como Mecanização Agrária, Solos, Sanidade Animal, Sanidade Vegetal, Irrigação, Agro-processamento, Sistemas de produção, Extensão Agrária e 24 para área de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC).

Discursando durante a cerimónia de recepção dos Formadores Moçambicanos que regressaram da República Federativa do Brasil após capacitação técnico profissional, a Vice- Ministra da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional, Leda Hugo, avançou que as áreas nas quais foram capacitados, constituem apostas do Governo para a promoção do crescimento e desenvolvimento socioeconómico do país.

“Após a vossa formação e uma vez de volta à terra, apelamos que constituam mais-valia técnico-científico em vossas respectivas instituições, que os vossos locais de trabalho se constituam em espaços privilegiados de aprendizagem e aquisição de competências práticas de trabalho”, disse Leda Hugo.

Num outro desenvolvimento, Leda Hugo explica que no processo da Reforma da Educação Profissional, ora em curso, a formação de Formadores constitui um dos alicerces fundamentais para o sucesso da iniciativa em referência, na medida em que os Formadores são as fontes principais de transmissão de competências técnico-científicas e práticas aos formandos, aliado a transmissão de valores ético, moral, deontológico, patriótico, de cidadania e urbanismo

Em adição, um dos elementos fundamentais de melhoria de qualidade da Educação Profissional assenta na existência de um quadro de Formadores com as competências técnicas bem desenvolvidas, melhoria nas infra-estruturas e provisão de equipamento e materiais de aprendizagem para as instituições de modo a adequá-las às exigências das qualificações a ministrar no âmbito do processo de Reforma da Educação Profissional em curso no país.

Por sua vez, o embaixador de Brasil em Moçambique, Rodrigo Soares recordou que a formação enquadra-se no protocolo de intenções firmado em 30 de Janeiro de 2017, o Programa de Formação de Formadores Moçambicanos, pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional (MCTESTP) e o Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif).  

Importa referir que o Governo da República Federativa do Brasil tem prestado apoio ao governo moçambicanos em vários domínios, com destaque para capacitação de Formadores, no contexto da exigência de uma Educação Profissional de Qualidade e Relevante socialmente. 

Sobre Nós

 

Natureza: O Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico-Profissional (MCTESTP) é o órgão central do Aparelho do Estado que, de acordo com os princípios, objectivos, políticas e planos definidos pelo governo, dirige, planifica e coordena as actividades no âmbito da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico-Profissional. Foi criado pelo Decreto Presidencial n.º 1/2015, de 16 de Janeiro.

 

Visão : Formular políticas para o desenvolvimento integrado, articulado e qualitativo da Ciência e Tecnologia, dos Ensinos Superior e Técnico-Profissional, com vista à indução do crescimento e desenvolvimento socioeconómico de Moçambique.

 

Missão: Promover a oferta de soluções científicas e tecnológicas aos cidadãos nas áreas estratégicas de desenvolvimento definidas nos programas do Governo de Moçambique, aliado à promoção do acesso, expansão e garantia de qualidade de ensino nos níveis de Ensino Técnico-Profissional e Superior em Moçambique.