FNI NO CUMPRIMENTO DO PQG 2015-2019

O Fundo Nacional de Investigação (FNI), no cumprimento do Programa Quinquenal do Governo para 2015/2019, na prioridade número III no seu Objectivo numero I na sua alínea w), o qual preconiza a promoção de financiamento de projectos de investigação e inovação para o desenvolvimento socioeconómico, financiou até o presente momento, 164 projectos de investigação dos 168 planificados.

Esta informação foi avançada pela Directora Executiva do FNI, Vitoria Langa de Jesus, Durante as 11as Jornadas Cientificas e Tecnologia de Moçambique e quintas Regionais, evento realizada na Cidade da Beira, Província de Sofala.

Discursando durante o evento, a directora explicou que dos projectos financiados, 11 são de implementação conjunta com países como Alemanha, Africa do Sul, Zâmbia, sendo que a Província de Sofala ocupa a oitava posição.

Contudo, Vitoria de Jesus, afirma que o mais importante que ter resultados de investigação, é a sua divulgação, para permitir que o conhecimento esteja ao alcance das comunidades e que o seu impacto gere mudanças positivas de atitudes e comportamentos.

Em relação a jornada científica, no PQG propõe-se a uma abrangência de 480 trabalhos de investigação a serem apresentados até 2019. Deste total já foram apresentados 450 trabalhos correspondendo a 93,75%.

Ainda no âmbito de outros mecanismos de financiamento, o FNI financiou igualmente a participação de 61 investigadores em conferências científicas 19 publicações de artigos científicos e 16 publicações de livros 

Estes mecanismos são segundo a Directora do FNI, para permitir que os investigadores sejam expostos a ambientes científicos, onde possam discutir os resultados das suas pesquisas, estabelecer contacto com especialistas das áreas e ter acesso a infra-estruturas de investigação e tecnológicas.

Na ocasião, a Directora Vitoria De Jesus, convidou os investigadores a incrementarem o uso das janelas do FNI pois é um dos mecanismos criados pelo governo para a dinamização da investigação em Moçambique.

“Estas oportunidades são lançadas na nossa Pagina Web: www.fni.gov.mz e www.mctestp.gov.mz e neste momento esta no ar um projecto conjunto com a Zâmbia e convidamos os investigadores a concorrerem em massa”, disse.

Ainda no âmbito da divulgação das janelas de financiamento, o Directora Executiva do FNI convida as Direções Provinciais de Ciência, Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional, a intensificar o seu trabalho junto às instituições de Ensino Superior e de Investigação promovendo as diversas acções que são levadas acabo pelo MCTESTP na dinamização deste importante pilar no desenvolvimento do País.

O FNI já realizou as jornadas nas províncias de Nampula em 2014, em 2015 Manica e Inhambane, 2016 Zambézia e Maputo Província, em 2017 Niassa/Gaza e 2018 Cabo Delgado e Sofala e para o próximo ano terá lugar na província de Tete e Cidade do Maputo.

 

PREOCUPAÇÃO  COM FRACA PARTICIPAÇÃO DA MULHER NA INVESTIGAÇÃO

Ainda durante o evento, a Directora do FNI avançou que dos manifestou a sua preocupação com a fraca aderência de mulheres na actividade de investigação. Esta situação justifica-se pelo facto de constatar que dos 88 trabalhos aprovados apenas 10, são de Mulheres,  correspondente a 11,36%.

Para incentivar a participação das mulheres na área da investigação científica, o FNI elaborou uma estratégia de género que está sendo monitorado por um núcleo de cientistas. E uma parte deste núcleo esta aqui presente na sala (Dra Helena Garrine e Dra Katia Paulo) as quais lhes damos boas vindas.

Este núcleo durante a realização das jornadas científicas e tecnológicas promove, paralelamente, encontros com as investigadoras para formar os núcleos provinciais de género com vista a dinamizar as mulheres para que abracem de forma mais acutilante a carreira da investigação.

Refira que os trabalhos apresentados nas jornadas são de investigadores provenientes da Cidade e Província de Maputo, Província, Gaza, Inhambane, Manica, Zambézia, Tete e Sofala. 

Sobre Nós

Natureza: O Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico-Profissional (MCTESTP) é o órgão central do Aparelho do Estado que, de acordo com os princípios, objectivos, políticas e planos definidos pelo governo, dirige, planifica e coordena as actividades no âmbito da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico-Profissional. Foi criado pelo Decreto Presidencial n.º 1/2015, de 16 de Janeiro.

Visão : Formular políticas para o desenvolvimento integrado, articulado e qualitativo da Ciência e Tecnologia, dos Ensinos Superior e Técnico-Profissional, com vista à indução do crescimento e desenvolvimento socioeconómico de Moçambique.

Missão: Promover a oferta de soluções científicas e tecnológicas aos cidadãos nas áreas estratégicas de desenvolvimento definidas nos programas do Governo de Moçambique, aliado à promoção do acesso, expansão e garantia de qualidade de ensino nos níveis de Ensino Técnico-Profissional e Superior em Moçambique.