MCTESTP defende eficiência no desembolso aos projectos de investigação

Sua Excelência Jorge Nhambiu, Ministro da CTESTP

O Ministro da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional, Jorge Nhambiu, quer maior eficiência nos procedimentos administrativos de desembolso aos projetos de investigação, devendo os investigadores prestar contas consoante a execução orçamental e divulgar os resultados da investigação, a inovação e a transferência de tecnologias, por forma a que os mesmos contribuam para o desenvolvimento socioeconómico das comunidades.

Esta informação foi avançada recentemente em Maputo, durante o Encontro de Concertação de Acções inerentes à implementação dos projectos aprovados para financiamento pelo Fundo Nacional de Investigação (FNI), evento que tinha como objectivo perceber dos investigadores os constrangimentos que conduzem à baixa execução dos fundos disponibilizados para investigação e trazer soluções para se ultrapassar. Na ocasião, o ministro deu a conhecer que o Governo tem estado a dinamizar a investigação, inovação e transferência de tecnologias no país, através do financiamento a diversos projectos desenvolvidos por entidades públicas e privadas, referentes a áreas estratégicas definidas como sendo prioritárias para o desenvolvimento socioeconómico nacional.

Aliás, Governo atribui importância à investigação, inovação e transferência de tecnologias no processo de desenvolvimento e em especial na busca de diversas soluções para o combate à pobreza nas comunidades.

É neste contexto que dos pouco mais de 200 projetos que o FNI tem recebido anualmente, mais de 50 por centos têm recebido nota positiva por parte dos avaliadores.

Porém, por exiguidade de fundos, o Governo apenas financia um quarto dos projectos elegíveis. “Existe uma necessidade incontornável de se conseguir mais fundos, internos e externos, de forma que o FNI prossiga crescentemente a sua missão de financiamento aos diversos projetos de desenvolvimento socioeconómico”, afirmou.

Ainda no decurso do encontro, Jorge Nhambiu explicou que o financiamento à investigação científica, promovido pelo FNI, resulta principalmente de apoios e parcerias externas, tendo o Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional (MCTESTP) beneficiado de financiamento para a Componente do Ensino Superior, Ciência e Tecnologia (Projecto HEST), através do Banco Mundial, para o período 2015 – 2018.

“Como podem depreender, estamos neste momento a 6 meses de encerramento deste financiamento e impõe-se sobre todos nós, a responsabilidade de traduzir os resultados do esforço e confiança do Governo no nosso Sector”, afirmou.

Investigadores instados a tirar proveito das oportunidades

Segundo o dirigente, a preocupação pela qualidade de investigação e seus resultados, são factores que merecem, igualmente, especial atenção, pois, são os vectores para o desenvolvimento socioeconómico das comunidades.

É neste contexto que exortou os investigadores nacionais a tirarem proveito das oportunidades trazidas pela Quarta Revolução Tecnológica, caracterizada pelo incremento das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) em todos sectores de actividade.

“Gostaríamos de ver, como Governo, processos cada vez maiores e mais abrangentes de endogeneização de soluções tecnológicas, de forma que a investigação e inovação tecnológicas, estejam realmente ao serviço das comunidades locais”, afirmou.

Recorde-se que o Fundo Nacional de Investigação (FNI) é uma instituição criada pelo Governo, cuja missão é "Promover a divulgação do conhecimento científico, a investigação científica, a inovação tecnológica e a formação de investigadores, contribuindo, em particular, para a redução da pobreza no País e, em geral, para o desenvolvimento socioeconómico de Moçambique".

Sobre Nós

 

Natureza: O Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico-Profissional (MCTESTP) é o órgão central do Aparelho do Estado que, de acordo com os princípios, objectivos, políticas e planos definidos pelo governo, dirige, planifica e coordena as actividades no âmbito da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico-Profissional. Foi criado pelo Decreto Presidencial n.º 1/2015, de 16 de Janeiro.

 

Visão : Formular políticas para o desenvolvimento integrado, articulado e qualitativo da Ciência e Tecnologia, dos Ensinos Superior e Técnico-Profissional, com vista à indução do crescimento e desenvolvimento socioeconómico de Moçambique.

 

Missão: Promover a oferta de soluções científicas e tecnológicas aos cidadãos nas áreas estratégicas de desenvolvimento definidas nos programas do Governo de Moçambique, aliado à promoção do acesso, expansão e garantia de qualidade de ensino nos níveis de Ensino Técnico-Profissional e Superior em Moçambique.