Bolseiros moçambicanos na china instados a focarem-se nos estudos

Data: 03/09/2019
 
24

O Director Geral do Instituto de Bolsas de Estudo (IBE), Octávio de Jesus, desafia os beneficiários da bolsa estudo na Republica Popular da China a focarem-se na sua tarefa principal que é estudar, por forma a que no fim da formação tragam resultados positivos e brilhantes, que engradecem o país.

O Director do IBE falava durante a Cerimónia de despedida dos 64 estudante moçambicanos que parte para prosseguir os estudos nos cursos de licenciatura e mestrados em diferentes especialidades tais como Engenharias de Minas Construção Civil, Petróleo e Gás, Hidráulica, Eléctrica, Mecânica, Industrial, Informática e Telecomunicações; Agronomia; Medicina; Bioquímica; Turismo e Artes Visuais; Economia; Turismo e Artes Visuais, e comércio Internacional.

A atribuição das bolsas de estudo resulta da cooperação entre o Governo de Moçambique e a Republica Popular da China, um parceiro fundamental na formação de quadros moçambicanos nas diferentes áreas de conhecimento.

Com a participação da Direcção do IBE, Embaixador da República Popular da China em Moçambique, Su Jian, representantes da Embaixada, representantes do Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, bolseiros e encarregados de educação, o evento tinha com objectivo partilhar informações gerais sobre a postura e as condições dos bolseiros, como seja as leis da   Republica Popular da China e as normas vigentes na instituição de ensino quer vai lhes acolher. 

 

“Vos sois os nossos embaixadores e gostaríamos que levassem os nobres valores de moçambicanidade. Temos que respeitar as normas vigentes nas Instituições de Ensino e respeitar as leis do país “, sublinhou Octávio de Jesus.

 

Na ocasião, Octávio de Jesus explicou que a indicação dos beneficiários das bolsas foi por via de mérito e seguiu uma série de requisitos do edital, sendo que as áreas de formação foram selecionadas tendo como pressuposto as prioridades para o desenvolvimento do país.

 

“É importante que saibam que a vossa tarefa principal na República Popular da China é estudar, estudar e estudar. Aliás, o IBE, irá acompanhar o vosso desenvolvimento académico através das representações diplomáticas moçambicanas e deslocação de equipas de monitoria”, disse o Director aos bolsistas.

 

Num outro desenvolvimento, o Director do IBE recordou que o Programa Quinquenal do Governo 2015–2019 (PQG 2015–2019) tem como enfoque central o aumento do emprego, da produtividade e competitividade para a melhoria das condições de vida dos moçambicanos, no campo e na cidade, em ambiente de paz, harmonia e tranquilidade, consolidando a democracia e a governação participativa e inclusiva.

 

Nesta ordem, o Governo tem promovido parceiras que visam essencialmente a formação de capital humano de elevada qualidade e, que responda satisfatoriamente aos desafios de desenvolvimento nacional e a demanda do sector produtivo, contribuindo, por conseguinte, para a criação da riqueza nacional e promoção do bem-estar social.

 

Por sua vez, o embaixador da República Popular da China em Moçambique, Su Jian afirmou que estudar na República Popular da Chine significa uma oportunidade mais também um desafio na medida em que vão viver num ambiente diferente em termos culturais, assim como pela pressão que estarão sujeitos durante as aulas.

Na ocasião, o embaixador reforçou o apelo aos bolseiros moçambicanos a empenharem-se nos estudos e após a formação regressarem para desenvolver o seu país.

“Vocês foram selecionados entre numerosos candidatos e espero que tomem pleno proveitosa importunidade de estudar na República Popular da China. O estudo no nosso país será duro, disciplinado e competitivo “, disse o diplomata.

Recorde que as relações de amizade entre Moçambique e a República Popular da China datam desde o seculo XV, com a chegada dos navios comerciai na cidade da Beira, sendo que nos últimos anos tem registado um desenvolvimento assinalável marcado por intercâmbios culturais e humanos cada vez mais frequentes.