Ministro Nhambiu destaca os desafios inerentes a promoção e uso seguro das TIC

Data: 14/11/2018
 
Moçambique participa na 5a. Conferência Mundial de Internet Uma delegação moçambicana dirigida pelo Ministro da Ciência e Tecnologia, Ensino...

O Ministro da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional, Jorge Nhambiu, considerou que os desafios inerentes a promoção e uso seguro das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) no geral e, da Internet, em particular, bem como a redução do fosso digital em cada um dos países, não devia ser tarefa exclusiva dos Governos ou de iniciativas públicas, mas, sim, missão de diversos actores da sociedade, como sejam, o sector privado, as instituições de ensino, a sociedade civil, as pessoas singulares, entre outros.

Este posicionamento foi defendido recentemente, durante a 5a. Conferência Mundial de Internet, evento que teve lugar de 7 à 9 de Novembro do ano corrente, município de Wuzhen da cidade de Tongxiang, na província de Zhejiang, na República Popular da China.

Subordinado ao lema “Criar o Mundo Digital de Confiança Mútua e Governação Colectiva – Rumo à Comunidade de destino Comum no Ciberespaço”, a Conferência visa promover a partilha das mais recentes realizações científicas e tecnológicas globais na indústria da Internet; promover o conceito de tornar a tecnologia da Internet inovadora, inclusiva e compartilhada; destacar a contribuição extraordinária dos profissionais da Internet e construir uma plataforma para intercâmbios inovadores.

No contexto das diferentes sessões de trabalho da 5a. Conferência Mundial de Internet, o Ministro da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional, Jorge Nhambiu, discursou no “Fórum Ministerial sobre como Colmatar o Fosso Digital”, onde o dirigente abordou como tópico o “Historial da Massificação da Internet em Moçambique”.

Na referida comunicação, o governante fez uma retrospetiva histórica sobre o processo da introdução da Internet em Moçambique, referiu-se a densidade telefónica fixa e móvel, as plataformas de comunicação em fibra ótica que conectam Moçambique à região e ao mundo, ao papel e impacto da Rede Electrónica do Governo (GovNet), da Rede de Instituições de Ensino Superior e de Investigação de Moçambique (MoRENet), dos Centros Multimédias Comunitários (CMCs), e dos instrumentos de política e de regulação na área das (TIC) que veem sendo elaboradas e aprovadas desde o ano 2000.

Em relação ao crescimento das plataformas electrónicas de prestação de serviços, em particular as de comércio electrónico assentes na Internet, Jorge Nhambiu faz menção às instituições reguladoras de telecomunicações e de TIC em Moçambique, bem como a entidade competente para prestação de Serviços de Governo Electrónico.

Na sua intervenção, o ministro abordou ainda a questão do processo que Moçambique está a encetar para ratificar as Convenções de Budapest e da União Africana, que tratam respectivamente dos Crimes Cibernéticos e da Protecção de Dados Electrónicos Pessoais, com o objectivo último de juntar-se aos países que procuram desencorajar as práticas negativas na Internet. 

Em termos de desafios para colmatar o fosso digital, o ministro destaca o incremento de programas que promovam maior acesso da rapariga e da mulher às TIC; a promoção de conteúdos locais na Internet; o incremento da inclusão das TIC nos Curricula dos subsistemas de Ensino Primário, Secundário Geral, Educação Profissional (Formação e Ensino Técnico Profissional) e Ensino Superior.

Um outro desafio prende-se com a necessidade de incrementar o apetrechamento das escolas com materiais informáticos e a ligação à internet; o acesso à internet aberta (incluindo nas instituições de ensino, comunidades, locais de lazer, entre outros); incrementar a prestação de serviços públicos, entre outros, através de plataformas para telefones celulares, tirando vantagem do grande acesso à internet através desses dispositivos tecnológicos; e o  aumento da largura de banda e a expansão da infra-estrutura para o uso da internet.

Num outro desenvolvimento, Jorge Nhambiu aponta como medidas com vista a potenciar a massificação do uso da Internet em Moçambique, a  expansão  de  infra-estrutura de telecomunicações, em particular a infra-estrutura de banda larga; a redução de custo de acesso aos serviços;  a necessidade de investir na literacia digital e criar conteúdos em Português e nas línguas nacionais; a implementação dos mecanismos tecnológicos e, de estabelecimento de instrumentos legais e de instituições bem como a sua capacitação, visando aumentar a segurança das transacções e serviços prestados com recurso as TIC  no geral e, a internet em particular

“A necessidade de capacitar as instituições moçambicanas para lidarem com as tecnologias emergentes e os serviços afins associados a Internet, como sejam, Computação em Nuvem (Cloud Computing), Inteligência Artificial, Computação de Alto Desempenho, Sistemas Autónomos, Blockchain, Redes Inteligentes, Internet das Coisas, Bigdata, Digital Analitics, são igualmente medidas que visam massificar o uso da internet”. disse Nhambiu.

Ainda no decurso da 5a. Conferência Mundial de Internet, foram apresentadas mais de 400 realizações científicas e tecnológicas na internet da China, EUA, Reino Unido, Alemanha, França, Rússia e Canadá, mostrando as mais recentes tecnologias em teoria fundamental, inovação tecnológica, processo e montagem de produtos, modelo de negócios, entre outros.

Fizeram parte da delegação de Moçambique à 5a. Conferência Mundial de Internet, os Assessores do Ministro da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional para Área de TIC e, de Comunicação e Imagem, Lourino Chemane e, Joao Cossa, respectivamente.

Importa referir que o evento contou com a participação de autoridades do Governo Central da República Popular da China, Representantes da Administração do Ciberespaço da República Popular da China, representantes do Governo Popular da província de Zhejiang, representantes do Sector Produtivo da República Popular da China, delegados de países dos quatro quadrantes do mundo, palestrantes e diversos órgãos de comunicação social, entre nacionais e estrangeiros.